REPLETO DE ATRATIVOS


Este roteiro é repleto de atrativos naturais, históricos e também gastronômicos e culturais. A paisagem é bem variada, alternando entre altos de serras a planaltos ou vales de rios. A Mata Atlântica é bem preservada, mesclada com florestas de imponentes e belas araucárias. A natureza se mostra presente também na grande concentração de nascentes e cachoeiras, como as da Rota das Cachoeiras, uma incrível sequência de 14 quedas em menos de 3km.


Há ainda outros grandes atrativos naturais, entre eles o Morro da Igreja, que se destaca à grande distância e possui um paredão de pedra onde os escaladores praticam o rapel (um dos maiores do Brasil, com 245m), e os Campos do Quiriri, uma área de preservação que pode ser conhecida a partir do Circuito e de onde, em dias claros, avista-se todo o litoral norte de Santa Catarina.


A Estrada Dona Francisca é um dos destaques da parte histórica. O circuito passa por vários trechos do traçado original da estrada, construida por volta de 1865. Outro ponto de interesse histórico é a ferrovia construída em 1913, que se encontra ainda em funcionamento, e era parte da Estrada de Ferro que ligava São Paulo ao Rio Grande do Sul. Os trilhos serpenteiam as serras e cruzam o circuito diversas vezes.

No aspecto cultural, está muito presente a influência alemã, polonesa e italiana, notável principalmente nos costumes e tradições, como as festas locais(onde não falta chope e danças folclóricas), a comida(com deliciosos cafés coloniais), os tipos de construções e os traços físicos de sua gente, Também maracaram presença na região os imigrantes espanhóis, tchecos, austríacos e portugueses, entre outros.


Ao longo do Circuito encontram-se pequenos museus com peças e artefatos, principalmente rurais, trazidos ou fabricados pelos primeiros colonizadores. As quatro cidades, São Bento do Sul, Corupá, Campo Alegre e Rio Negrinho, possuem vários prédios históricos bem conservados, muitos deles funcionando como órgãos públicos.

Cascata Paraíso

Clique para Ampliar

Antes de iniciar o trecho 5, a sugestão é conhecer a Cascata Paraíso, com mais de 60m de queda. A cachoeira fica no centro de Campo Alegre, próxima à prefeitura.

Maria Fumaça

Clique para Ampliar

O velho trem faz um passeio mensal, com saída da Estação Ferroviária de Rio Negrinho. A Maria Fumaça percorre um trecho ferroviário belíssimo, construído entre 1910 e 1913, com quatro túneis, pontes em grande altura e fantásticos cortes na rocha. O percurso (ida e volta) é de 90 km. O trem segue até a localidade de Rio Natal (São Bento do Sul), onde os passageiros podem almoçar e, logo em seguida, retorna a Rio Negrinho, onde há um museu ferroviário na estação. Informações sobre as datas dos passeios e reservas pelo telefone (47) 3644-7000 e no site www.abpfsc.com.br.

Morro da Igreja

Clique para Ampliar

Com 870m, o Morro da Igreja é um dos mais altos de toda a região. Durante vários dias de pedalada, é possível avistá-lo ao longe. Possui um paredão de 245m, onde escaladores praticam o rapel. Pode-se alcançar o topo do Morro da Igreja a pé, por uma trilha, numa caminhada de cerca de 2h30 (de ida), sendo necessário o acompanhamento de um guia. (Trecho 3 do Circuito).


Rota das Cachoeiras

Clique para Ampliar

Passeio imperdível e um dos destaques do Circuito. Aqui deixamos a bicicleta para fazer uma caminhada pela mata, acompanhando o Rio Novo e suas 14 quedas. Há vários pontos para banho de cachoeira e poços naturais. Difícil dizer qual a mais bonita, mas a mais alta de todas é a última, o Salto Grande, com 125m de queda. Por isso vale a pena fazer a caminhada toda, que leva cerca de 4 horas. A trilha é toda sombreada pela Mata Atlântica, com cerca de 400m de desnível. 

Campos do Quiriri

Clique para Ampliar

Na Serra do Quiriri, ou Campos do Quiriri, estão algumas das nascentes do Rio Negro. De seus pontos mais altos, entre 1300m a 1580m, é possível enxergar o mar e algumas cidades do norte do estado, como Joinville e São Francisco do Sul. Na língua tupi-guarani, Quiriri significa “Silêncio Noturno”, ou ainda “Rio do Lugar Silencioso".  O local abriga uma APA (Área de Proteção Ambiental), com campos de altitude e várias espécies de animais e plantas ameaçadas de extinção. (Trecho 5 do Circuito - é necessário um dia a mais para fazer o passeio até o Quiriri).

Mais informações em: www.quiriri.org e http://serraquiriri.blogspot.com/.

 

 

Araucária

Clique para Ampliar

Chamada também de Pinheiro do Paraná, a araucária pode chegar a 50m de altura e pertence ao Bioma Mata Atlântica. Foi extinta em muitas áreas do Brasil e hoje é protegida por lei. Suas sementes, conhecidas como pinhão, são apreciadíssimas e fazem parte de várias receitas do cardápio de inverno da região. São dispersas por esquilos (serelepes) e pela gralha azul.


Estrada Imperial Dona Francisca

Clique para Ampliar

A Estrada Dona Francisca foi construída com o intuito de ligar a então Colônia Dona Francisca (hoje cidade de Joinville) ao planalto. Foi a segunda via carroçável do Brasil e o primeiro trecho foi inaugurado ainda no tempo do Império, em 1865. Em lombos de burros e carroções, desciam erva-mate e madeira e subiam couro e outros produtos. Muitos trechos da Estrada Dona Francisca hoje se encontram asfaltados, fazendo parte do traçado da Rodovia SC 301. Outras partes conservam ainda o calçamento original em terra e pedras e são contemplados no Circuito (nos Trechos 5, 6, 7 e 8). O nome vem da Princesa Dona Francisca, irmã de Dom Pedro II, que recebeu como dote as terras da região.